Filmes premiados

confira a lista completa

Curta Mostra Especial


Cinema Negro Brasil Contemporâneo

4, 8 e 9 de outubro de 2016

 

Cinema Negro, Cinema Afro Brasileiro, Cinema da Diáspora Africana… diversas formas de tentar “rotular” o que não precisaria de rótulo.

Não precisa?

Ao entender o pioneirismo de Zózimo Bulbul, que a partir de “pontas” de negativo de um longa realizou um marco como Alma no Olho, vemos que precisamos sim.

Alma no Olho é um discurso audiovisual sobre a diáspora africana, que quase não se discute ou exibe em Cursos de Cinema no Brasil. De lá para cá vemos tantos outros marcos do afro brasileiro no audiovisual passarem como algo à parte do movimento, como o pioneirismo de Adélia Sampaio em realizar um longa-metragem nos anos 80, o cinema engajado de Joel Zito Araujo, Jeferson Dê e o Dogma Feijoada, os prêmios internacionais de André Novais Oliveira, o cinema negro de periferia e dos coletivos audiovisuais… e chegamos ao Kbela, de Yasmin Thayná, lembrando que precisamos sim.

Nesta mostra propomos um panorama sobre a produção de curtas-metragens feita por realizadores negros no século XXI, com filmes de cineastas que marcaram momentos importantes nesta transição entre discursos e mídias, e que de alguma maneira ilustram como as mudanças sociais acontecidas neste período trouxe uma nova geração de cineastas a ocupar o lugar de fala sobre sua cultura, seus heróis e a sociedade como um todo.

Propomos a partir dos dois programas, Olhar Feminino e Periferias, traçar um recorte dentro da ampla diversidade de temas que se pode trabalhar dentro da discussão da diáspora africana. As mulheres cada vez mais presentes como autoras e realizadoras, e as culturas afrodescendentes narradas por um olhar próximo de seus autores.

Cinema Negro Brasil Contemporâneo homenageia dois pioneiros da realização cinematográfica no Século XX, Zózimo Bulbul e Adelia Sampaio, e duas atrizes negras que completam em 2016, décadas de carreira, Ruth de Souza e Chica Xavier.

Para ajudar nesta reflexão, teremos um debate com a presença de dois personagens importantes desta produção, Jeferson Dê e Yasmin Thayná.

 

Curadoria de Flávia Cândida – Produtora cultural, cineasta e curadora audiovisual
Produção de Clementino Júnior – Professor de audiovisual, cineclubista e cineasta

 

Programação

 


4 out (ter) – 20h (abertura)

 

Filme de abertura: Alma no Olho (RJ) – 1974 – Fic – 11min. Direção: Zózimo Bulbul [12 anos]

Homenagem: Zózimo Bulbul (in memoriam) – Diretor, ator e roteirista
Representado por Biza Vianna

Zózimo Bulbul foi o primeiro protagonista negro em uma novela e marcou seu nome no audiovisual pela sua inquietação que o tornou roteirista e diretor de seus próprios filmes, com olhar autêntico e militante sobre o negro no Brasil.


8 out (sab) – 14h

 

Homenagem: Ruth de Souza e Chica Xavier – atrizes

Intituladas Damas Negras, Ruth de Souza e Chica Xavier abriram caminho para que as jovens atrizes e talentosas diretoras e roteiristas do presente momento assumam o comando e local de fala nas narrativas.

 

Programa 1- Olhar no Feminino

A mulher negra enquanto realizadora audiovisual, narrando por perspectivas pouco vistas no cinema.

Cinema de Preto (RJ) – 2004 – doc – 11min. Direção: Danddara
Cores e Botas (SP) – 2013 – fic – 16min. Direção: Juliana Vicente
Conflitos e Abismos: A expressão da condição humana (SE) – 2014 – ani/doc – 15min. Direção: Everlane Moraes
O Dia de Jerusa (SP) – 2014 – fic – 15min. Direção: Viviane Ferreira
Quijauá (RJ) – 2016 – exp – 6min. Direção: Coletivo Revisitando Zózimo Bulbul + Mulheres de Pedra
Kbela (RJ) – 2015 – exp – 23min. Direção: Yasmin Thayná

 

Debate – 16h

Novo Cinema Negro Brasileiro

 


9 out (dom) – 15h

 

Programa 2 – Periferias

A favela, a periferia, a religião, o gênero e o racismo, pelo olhar de realizadores negros.

Carolina (SP) – 2003 – doc – 15min. Direção: Jeferson Dê
Sete Minutos (RJ) – 2007 – fic – 9min. Direção: Julio Pecly, Paulo Silva e Cavi Borges
Jurema (RJ) – 2014 – doc – 16min. Direção: Clementino Junior
Chico (RJ) – 2015 – fic – 20min. Direção: Irmãos Carvalho
Rapsódia Para Um Homem Negro (MG) – 2015 – fic – 25min. Direção: Gabriel Martins
Pele Suja, Minha Carne (RJ) – 2016 – fic – 15min. Direção: Bruno Ribeiro

 

9 out (dom) – 20h (encerramento)

Filme de encerramento: Scliar A Persistência da Paisagem (RJ) – 1991 – doc – 15min. Direção: Adelia Sampaio [Livre]

Homenagem: Adelia Sampaio – Diretora

Adelia Sampaio se tornou a primeira realizadora negra em longa-metragem nos anos 80. Produziu curtas-metragens, documentários e programas educativos para a televisão e filmes importantes na história do cinema.

 

Local: Teatro Goiânia (Avenida Tocantins com Avenida Anhanguera, Qd. 67 Lt. 32 Setor Central)


Voltar