Filmes premiados

confira a lista completa

Adelia Sampaio


Diretora

Foi a primeira realizadora negra a produzir um longa-metragem no Brasil, em 1984, chamado Amor Maldito, enfrentando resistências pela temática homossexual. Com alguns curtas-metragens no currículo, e vários trabalhos como produtora e realizadora para cinema e televisão, ingressou ainda durante o Cinema Novo na Difilm, em 1969, e manteve uma carreira sólida sem alarde sobre sua posição como pioneira na função. Adelia Sampaio tem 72 anos, vive no Rio de Janeiro e tem alguns projetos para retorno às telas.


Homenagem

O cinema sempre teve como presença marcante artisticamente os homens brancos como autores e realizadores. Como esperar que neste cenário uma filha de empregada doméstica, nos anos 70, se tornaria realizadora e, nos anos 80, se tornaria a primeira realizadora negra em longa-metragem?

Adelia Sampaio fez isso, além de curtas-metragens, documentários e programas educativos para a televisão, e se firmou como produtora de filmes importantes na história do cinema. Amor Maldito, seu longa-metragem lançado em 1984, além do feito ainda trouxe a ousadia de abordar em sua trama um romance homossexual, o que quase inviabilizou a sua produção.

Seu pioneirismo ganha dimensão ao percebermos que desde 2002 apenas longa-metragem de ficção brasileiro foi assinado por uma mulher, e que seu nome só agora vem sendo reconhecido nos cursos de cinema graças à busca por representatividade das mulheres negras dentro do audiovisual, e às pesquisas acadêmicas que trouxeram luz ao trabalho desta experiente profissional do audiovisual, ainda em atividade e cheia de projetos.

A Goiânia Mostra Curtas homenageia Adelia Sampaio por seu pioneirismo no cinema brasileiro.


Voltar