Olga Futemma



Olga Toshiko Futemma concluiu em 1974 a graduação em Comunicação Social (especialização em Cinema), na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Em 2006, tornou-se mestre em Estética do Audiovisual, na mesma instituição, com a dissertação Arquivo Paulo Emilio Salles Gomes – rastros de perícia, método e intuição. Como parte de atividades curriculares, realizou montagens de filmes e dirigiu o curta-metragem Sob as pedras do chão (Bairro da Liberdade). Iniciou suas atividades profissionais como programadora de filmes do Museu Lasar Segall. Em sua carreira, realizou a montagem de vários curtas-metragens centrados no tema dos movimentos sociais. A partir de 1981, passou a se dedicar ao estudo da imigração japonesa no Brasil, tendo dirigido três filmes sobre o tema. Em paralelo, e desde 1976, desenvolveu pesquisas sobre o cinema brasileiro, primeiro no Departamento de Cinema do IDART e, a partir de 1984, como técnica de acervo da Cinemateca Brasileira. Nesta instituição, coordenou o Centro de Documentação e Pesquisa no período 2002 a 2013; de 2007 a 2013, foi diretora adjunta. Aposentou-se em 2013 e retornou em 2015, assumindo a Coordenação-Geral. Em julho de 2018, passou a ocupar a função de Gerente de Acervo, contratada pela Acerp – Associação de Comunicação Educativa Roquete Pinto, uma Organização Social que, desde março do mesmo ano, faz a gestão da Cinemateca Brasileira.

 

Filmografia

 

1972 a 1976

Montagens de filmes como parte de atividades curriculares na Escola de Comunicações e Artes da USP: Os sete patamares, direção de Francisco Botelho Junior e Ella Durst. 

Corpo de baile, dos mesmos diretores. 

 

Direção, produção executiva, montagem e texto:

Sob as pedras do chão (Bairro da Liberdade)

 

1976

Montagem:

Fim de semana, direção de Renato Tapajós. 

 

1977

Assistência de direção:

Acidente de trabalho, dirigido por Renato Tapajós para o Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema. 

 

1978

Codireção (com Renato Tapajós):

Trabalhadoras metalúrgicas, para o mesmo sindicato. 

 

Montagem:

Um caso comum, direção de Renato Tapajós, para a Pastoral da Saúde, Zona Leste II. 

Teatro operário, do mesmo diretor, produção da FUNARTE. 

 

1979

Montagem:

A greve de março, direção de Renato Tapajós para a ABCD Sociedade Cultural / Oca Cinematográfica. 

Judas na passarela, direção de Roberto Santos.  

 

1980

Montagem

A luta do povo, direção de Renato 

 

1981

Roteiro, direção e montagem:

Retratos de  Hideko

 

1982-83

Organização de materiais, primeira montagem:

Linha de montagem, direção de Renato Tapajós, para o Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema. Longa-metragem, cor, 16mm.

 

1985

Roteiro e direção:

Hia Sa Sa – Hai  Yah

 

1988

Roteiro e direção:

Chá verde e arroz

 

Roteiro e direção:

Caminho da memória

Caminho da memória – Depoimentos I e Caminho da memória – Depoimentos II para a Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa. 


Voltar