2ª Goiânia Mostra Curtas

 

gmc_2
Artista: Paulo Caetano

8 a 13 de outubro de 2002

“Eu tenho uma relação super forte com o festival de Goiânia, porque no período em que eu estava engatinhando como realizador, eu ganhei um prêmio aqui com o curta ‘À margem da imagem’. O festival de Goiânia me formatou como realizador no momento em que eu estava realmente engatinhando. Além disso, tem vários prêmios técnicos aqui. Eu ganhei prêmios de lata de negativo, aluguel de câmera, CTAv, uma série de coisas que me permitiram fazer um segundo curta”.
Evaldo Mocarzel
Documentarista homenageado na 7ª Goiânia Mostra Curtas e premiado na Curta Mostra Brasil da 2ª Goiânia Mostra Curtas

“Na sequência dos curtas que eu vi, foi interessante ver como a gente saía do riso para o choro – tudo o que podia acontecer comigo em termos de emoção, aconteceu aquele dia no cinema. Foi fantástico”.
Cissa
Espectadora da 2ª Goiânia Mostra Curtas

“Cinema é vida e a vida é curta”.
Jorge Furtado
Curta-metragista homenageado na 2ª Goiânia Mostra Curtas

Mais mostras e um panorama mais diverso

Aguardada pelo público goianiense, ávido por novidades, a 2ª Goiânia Mostra Curtas ampliou a programação experimentada na 1ª edição, dobrando a quantidade de curtas exibidos e de espectadores. Ainda sem temática específica, o foco das sessões paralelas foram curtas-metragens de cineastas brasileiros, como Jorge Furtado, homenageado em retrospectiva que exibiu de Temporal (1984) e Ilha das Flores (1989) a O Sanduíche (2000). A edição exibiu também trabalhos das diretoras Ana Maria Magalhães, Anna Muylaert, Carla Camurati, Laiz Bodanzky, Malu de Martino, Marlene França, Olga Futemma, Suzana Amaral e Tata Amaral, que iniciaram suas carreiras como curta-metragistas. Esta sessão, batizada de Curta Mostra Mulheres, reuniu filmes produzidos entre 1971 e 2001.

A estrutura de mostras permanentes do festival assumiu a configuração que tem até hoje: além da Curta Mostra Brasil, da Curta Mostra Goiás e da Curta Mostra Cinema nos Bairros, foram criadas outras duas sessões: a Mostrinha, dirigida ao público infantil, e a Curta Mostra Municípios, na qual passaram a competir produções de realizadores residentes em cidades do interior. O ineditismo desta proposta diversificou ainda mais o panorama nacional oferecido pelo festival, incorporando o olhar do Brasil “de dentro”. Em nove anos de Curta Mostra Municípios (2002-2010), a Goiânia Mostra Curtas contabiliza a exibição de curtas de mais de 50 cidades do interior, das quais as que mais se destacaram, tanto pela constância de obras inscritas e selecionadas quanto na premiação, foram: Niterói (RJ), Olinda (PE), Juiz de Fora (MG), Londrina (PR), São Carlos, Campinas, Ribeirão Preto, São Caetano do Sul (SP), Santa Maria (RS) e Ceilândia (DF).

Premiados
À margem da imagem, dir. Evaldo Mocarzel – SP (Curta Mostra Brasil)
Ana Beatriz Nogueira, por Furos no Sofá – RJ/RS (Melhor Direção/Curta MostraBrasil)
Valério Duarte e Allan Rodrigues, por Açaí com Jabá – PA (Melhor Direção/Curta MostraBrasil)
Cine Paixão, dir. Vera Senise e Célio Concilio – PR (Curta Mostra Municípios)
André Ristum, por Londrina em Três Movimentos – PR (Melhor Direção/Curta Mostra Municípios)
Sinos para sempre, dir. Hernany César, Ivana V., Luís Grossi e Nádia R. – GO (Curta Mostra Goiás)
Antônio Guerino, por Bolacha – GO (Melhor Direção/Curta Mostra Goiás)
Palace II, dir. Fernando Meirelles e Kátia Lund – RJ (Júri Popular/Curta Mostra Cinema nos Bairros)