Curta Mostra Goiás


CURTA MOSTRA GOIÁS

Filmes que apresentam a produção audiovisual goiana atual, em constante crescimento, e representam a nossa regionalidade no Brasil e mundo afora. Mostra competitiva com júri oficial.

FÁBIO RODRIGUES FILHO – CURADOR

Traçando uma constelação com coisas vivas e acesas

Nesta mostra estão reunidos trabalhos realizados entre 2020 e 2022, perfazendo um recorte pequeno, múltiplo e vigoroso da produção em Goiás. O que se desenha aqui se faz a partir da escuta, acolhimento e navegações pelos filmes e questões que emergem no conjunto de obras inscritas, de modo que selecionamos 12 filmes e os agrupamos em três programas. Tais programas buscam criar vizinhanças entre os filmes querendo a um só tempo realçar suas singularidades e amplificar suas forças.

No programa Ouvir o que se vê, o sonhar, as investigações filosóficas e estéticas, bem como a sutura de fragmentos do lembrar são vetores possíveis de conexão entre os filmes. Em Acordamento (2020) vemos um pequeno inventário de sonhos, sonhados de olhos fechados ou abertos. Uma miríade de relatos embala o mergulho, embaralha os quadros e entretece palavras. Já o curta Os Amantes são “alterofilistas” (2020), esta pequena e preciosa meditação sobre a distância fundamental e a proximidade necessária que nos mobiliza, aciona diferentes procedimentos para refletir sobre o amor. Presente de casamento (2021) lança mão de um arsenal de arquivos onde cada imagem nos demanda uma mirada detida em sua malha complexa. Notável o trabalho de reminiscência e celebração a partir de fragmentos, seja da memória, das  imagens ou mesmo dos sons. Ainda no campo das retomadas, Queimando em azul profundo (2022) radicaliza numa montagem tão experimental quanto apaixonada. Impregnado de amor, o filme nos conduz a uma imersão em arquivos de duas personagens: marcante o trabalho rítmico e dramatúrgico da montagem, criando um tratado enigmático e contagiante.

O segundo programa, Poesias das Manobras, reúne filmes entre o documental e a ficção, o corpo em performance na cidade e a experimentação do corpo fílmico a partir do motivo estético do qual ele se dedica. Em Depois de Cora (2022), faíscas poéticas são costuradas num trabalho sensível de escuta e errância. Se já não se pode contemplar a reunião das andorinhas no cajazeiro da praça, a poesia é trazida aqui como tempo, comprometimento e coreografia para chamar novamente esses “pássaros leves de voo pesado”. Como escreveu Ferreira Gullar (1975), “é impossível dizer em quantas velocidades diferentes se move uma cidade”, frase justa aquilo que se dá a ver em Por dentro (2021). Como o título nos adianta, entre distanciar-se para olhar de fora e as rotações por dentro, o corpo do realizador-dançarino, encarna e profere nos gestos, em suas manobras corporais, o protesto, o amor, as contradições e desigualdades formantes da cidade com a qual interage. Em Vento virado (2020), a prática e arte do skate, vista como esporte e arte urbana, é mostrada aqui em seu engajamento e articulação justamente com o cerrado, os povos originários e saberes ancestrais. Encerrando a sessão, Até a luz voltar (2022), através de uma atmosfera misteriosa, narra um conflito entre a conexão religiosa e manobras/gestos que restituem a vida.

Ao falarmos de Experimentar Encontros no terceiro programa, dizemos também deste traço prospectivo que se apresenta nestes quatro filmes reunidos que consiste em inventar, refletir e provocar – por confronto ou soma – encontros entre partes, planos, pessoas e experiências. Capim-navalha (2021), por exemplo, articula a experiência de dois personagens com trajetórias distintas que se encontram por complementação, sem que isso signifique uma resolução dos conflitos que cada um enfrenta. Com um humor e cuidado, Guia (des)orientador do sexo entre mulheres (2022) oferece o que o próprio título sugere: se por um lado há algo marcado da experiência de mulheres cis e lésbicas nos dois relatos, há também a forte dimensão sem receita do encontro com aquela/e que se deseja, ressaltando assim a dimensão humana e política das relações. Na ficção especulativa Codinome meu amor (2021), elementos da pandemia de Covid-19 e da realidade de populações periféricas são elaborados narrativamente desde uma verve inventiva, repropondo o confronto pelo insuspeito. Ao fim, A Última Valsa (2021), concentra-se num momento de uma família negra de classe média. Chama atenção no filme o encontro entre planos de existência, vida e a morte, e como a segunda rompe a linearidade da cronologia e dos ordenamentos sociais.

Por fim, importante destacar que crise sanitária que afeta global, bem com suas reverberações e agravamento no Brasil – que se soma a uma crise política e um desmonte dos fomentos e incentivos culturais – reverbera, de certo, não só no número de inscrições (68 filmes), mas também na própria produção. Naturalmente, não falamos aqui a respeito da qualidade dos trabalhos inscritos, mas do “como” foram feitos: poucos filmes contaram com apoio de leis estaduais, federais ou emergenciais, e também muitos trabalhos estão vinculados a formações diversas (escolas, institutos, universidades, núcleos, etc). Entre os inscritos, é notável a recorrência de travessias investigativas acerca de heranças e retomadas indígenas, quilombolas e afro-diaspóricas. Além disso, não poderíamos deixar de notar a força inventiva e ativação de programas experimentais diversos que os filmes criam e acionam. Esta seleção tentou, ao seu modo, fazer jus à diversidade que se mostrou no conjunto, à potência indiscutível e também ressoar os engajamentos que cada obra se insere e contribui.

Filmes

Programa 1 – Ouvir o que se vê

Acordamento (GO) – 2020 – Exp – 9min. Direção: Mariana de Lima e Renata Masini Hein. Livre
Sinopse
Mergulhar em sonhos, vozes e imagens, tecendo palavras nas realidades da fantasia. Na vigília, um acordo é formado.

Os amantes são “alterofilistas” (GO) – 2020 – Fic – 4 min. Direção: Juliano Moraes. Livre
Sinopse
O amor como exercício radical da alteridade é o tema desse filme em tempos de coronavírus. Diante do que estamos passando vale a pena perguntar o que estamos perdendo: o dinheiro? As liberdades individuais? Talvez o mais importante, a capacidade de reconhecimento do outro.

Presente de Casamento (GO) – 2021 – Doc – 11 min. Direção: Viviane Goulart. Livre
Sinopse
Memórias de um casal e recordações de família são ressignificadas em imagens e sons.

Queimando em Azul Profundo (GO) – 2020 – Exp – 18min – Direção: Paulo Balduino. 16
Sinopse
Mergulhando em silêncio rumo ao azul profundo, Momoe tenta não ficar triste.

Programa 2 – Poesias das Manobras

Depois de Cora (GO) – 2021 – Doc – 16min – Direção: Lak Shamra. Livre
Sinopse
Depois de Cora retrata a poesia que reside a histórica Cidade de Goiás (GO) sob a perspectiva de dois poetas vilaboenses da região periférica, Divino Damasceno e “Seu Joaquim”, associando-se metaforicamente com o “fenômeno natural” da existência da passagem das Andorinhas que adentravam em seu cajazeiro central, algo frequente que se tornou raro nos últimos anos.

Por Dentro (GO) – 2021 – Exp – 15 min – Direção: Gustavo Silvestre e Larry Machado. Livre
Sinopse
Dentro de mim habitam lugares, desconhecidos e encantadores. Lugares que me fazem, me definem, lugares que me mapeam. Dentro de mim há ruas, avenidas, praças, há em mim outras pessoas. Um corpo e uma cidade, um movimento que é atravessado, desvelado. Pelo corpo apresento uma cidade, Goiânia que se define em mim. Por dentro, lugares de encontro, se cohabitam, eu sou a cidade, um corpo em movimento.

Vento Virado (GO) – 2020 – Doc – 10min – Direção: Victor Quixabeira e Souza. 18
Sinopse
No chão de terra batida do Cerrado brasileiro, um grupo de skatistas investigam o ambiente e espaços do nordeste goiano, na região da Chapada dos Veadeiros. Ao passo em que exploram possibilidades para a pratica do skate, se deparam com saberes ancestrais e medicinas naturais, que estão ameaçadas com o avanço do agronegócio e da monocultura social.

Até a Luz Voltar (GO) – 2021 – Fic – 23min – Direção: Alana Ferreira. 16
Sinopse
Nino vive na pequena cidade de Nova Canaã. Em meio aos obstáculos da vida, ela busca na religiosidade e nas expressões de sua sexualidade formas de se ver livre da sensação de abandono e exploração.

Programa 3 – Experimentar Encontros

Capim Navalha (GO) – 2021 – Doc – 17min – Direção: Michel Queiroz. 16
Sinopse
Capim-Navalha é sobre pessoas transvestigêneres que vivem, habitam e ‘re-existem’ na Chapada dos Veadeiros, no interior de Goiás. Temos como protagonistas Gustavo e Gaé, homens trans que abrem sua vida e pele aos olhos da câmera. 

Guia (des)orientador do sexo entre mulheres (GO) – 2022 – Doc -18min – Direção: Pollyanna Marques.16
Sinopse
Sexo entre mulheres existe e é muito prazeroso, porém ainda pouco discutido ou visibilizado fora do contexto pornográfico, como seria se as mulheres que fazem sexo com mulheres fizessem seu próprio guia do prazer?

Codinome meu Amor (GO) – 2022 – Doc – 13min – Direção: Viviane Goulart e João Batista Silva. 18
Sinopse
Zaion e Zuleika são dois agentes do Movimento Revolucionário Intergaláctico infiltrados no planeta terra para implantar uma revolução de caráter popular, porém assim como todos os terráqueos, tiveram de interromper suas atividades devido a pandemia de COVID – 19.

 A Última Valsa (GO) – 2021- Fic – 22min – Direção: André Srur. Livre
Sinopse
Elias e seus filhos retornam pra casa depois de um dia extenuante, que irá mudar suas vidas. Em meio a palavras não ditas, à conflitos escondidos, eles tentam apenas chegar ao fim deste dia.

 

Os filmes serão exibidos pela plataforma InnSaei.TV

Fique atento a classificação etária de cada filme.

icumam cultural e instituto

producao@icumam.com.br
www.icumam.com.br
Fone: 62 3218 3779.

Viela da rua 124, nº166 Qd.F-23, Lt.30
Setor Sul - Goiânia-GO
Caixa Postal nº 337
74.001-070